Pesquisar este blog

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Palavras em cada verso

É mentira que não é verdade que a verdade não aparece.
Tu és a única dentre as mulheres que eu realmente amo.
A única e mais importante de todas as minhas preces.
Única razão para viver com a felicidade que proclamo.

Mulher na qual me perco em um sorriso tão belo
Que eu consigo acreditar que és uma obra divina.
Me deixando perplexo como se o sol não fosse amarelo.
Faz uma falta quando não tenho a ti que me ilumina...

Sentir teu perfume é mergulhar num mar de rosas
Vivo, perdendo-me alegremente por poder me afogar.
Sentir teu corpo junto ao meu e a sensação maravilhosa de

Amor de verdade que em mim há de transbordar...
De tanto esperar para poder talvez nunca te ter, é
Verdade que nem pela eternidade eu irei te esquecer.

-Namur...

Como saber como?

Como tu queres que eu entenda?
Tu apareces e de repente some...
Como lhe dar com a dor tremenda...?
Não dissestes nem o teu nome...

Como se meus olhos fechassem
E de repente, só de repente
Teu lindo rosto eu enxergasse
Como o brilho do sol poente...

Como se do céu a chuva caísse,
Eu caio do céu ao doce inferno.
E assim sinto como se me destruísse,

Em pedaços eu me reconstruo com o amor eterno.
E em teus braços morrem os momentos tristes.
Como se o céu se abrisse enquanto tu sorriste.

-Namur...

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

A marca do amor

Não conseguimos segurá-las quando sentimos dor.
É como se algo gritasse liberdade dentro do peito.
Há vezes nas quais elas descem com tanto rigor...
Mas como tudo na natureza, não tem como ser perfeito.

Lembro-me que quando meu amor encontrou o céu,
Elas escorriam e dentro de mim crescia o pavor...
Como se escorresse sangue e sujasse o seu fúnebre véu...
Ele inunda o seu lugar de repouso como meu amor...

E para debaixo da terra seu corpo há de apodrecer...
Mas sinto como se sua alma estivesse ao meu lado.
Sinto que minha carne, vermes estão a comer...

Como é a dor de ver na tua lápide, lá enterrado,
O coração que bateu por dois corpos numa só vez...
O amor que me deste quando a vi não se desfez.


-Namur...

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Louco rouco pela cidade

Já me disseram que eu sou um tanto poético,
Já me disseram que sou um tanto patético.
Mas não te disseram que por ti sou louco.
Não te disseram que de gritar teu nome estou rouco.

Madrugadas passo tendo pesadelos, sem teu amor...
Grito teu nome como um coração louco e apaixonado.
Na tua boca está escondido todo o meu adorado sabor.
Sem você sou um cão sem dono, completamente abandonado.

Já ouvi dizerem que sou um louco solto pela cidade.
Já ouvi dizerem que você nunca sequer olhou para mim.
Mas nunca ouvi de tua boca a sincera e incerta verdade.

Mas no fundo não importa o que já ouvi dizerem sobre o fim.
O que importa é que não importa o que eles dizem ou não.
Para mim, basta saber que quando me vê bate forte teu coração.


-Namur...

Leve-me junto a ti jabuti

Leve-me com você agora, não importa o lugar.
Não agüento mais respirar o ar que não é o teu.
Leve-me em teus braços e dê-me um beijo teu.
Não há lugar com a ti que eu não queira estar.

Não há boca senão a tua que eu queira sentir.
Não há mulher senão a ti que eu queira amar.
Não há pele senão a tua que eu queira tocar.
Não há amor senão o teu que eu queira insistir.

Leve-me agora antes que eu me perca em dor.
Leve-me agora, quero mais tempo com meu amor...
Leve-me, antes que eu me afogue em lágrimas escorridas.

Leve-me para teu paraíso maravilhoso com rosas floridas.
Leve-me para fora daqui, deste inferno em que não a vejo.
Leve-me com você, para aonde for é tudo o que desejo...


-Namur...

Perfume de anjo

Eu era só um pobre menino apaixonado...
O amor veio à tona e meus olhos cegou.
Não vejo mais nada que está ao meu lado...
E até agora, continuo sem ver, nada mudou...

Sinto um perfume doce de rosas ao redor...
Seria uma linda mulher por algum lugar?
Talvez não vê-la seja até para mim melhor.
Quem sabe assim evito meu coração de sangrar?

Pego o caminho de volta para minha casa.
E esse perfume doce me acompanha para onde for.
Como se a essa mulher Deus lhe desse asas.

Quando viro de costas eu sinto o seu rubor...
E descobri que você é um anjo para me amar.
E neste dia, novamente eu pude enxergar.


- Namur...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

O que os olhos não vêem

Minto quando digo que a algo não estou preso.
Inda que para cada um há algo novo, talvez diferente...
Na tua ausência, já me tornei um tremendo obeso.
Há dias que me pergunto se por ti sou doente...

Ainda que não esteja aqui, comigo abraçada,
Gravo em minha memória as lembranças não vividas, e
Revivo-as em meus pensamentos trazidos pela lufada...
A cada dia eu vou descobrindo que tu deixas as rosas floridas.

Vinha observando o céu à noite, e veio a resposta divina.
Incontestavelmente eu descobri que tu és o que me prende.
Da noite escura, tu és aquilo o que da escuridão me ilumina.

Às vezes erramos, mas quase sempre a gente aprende.
Desde hoje eu sei que tu és a minha doce gravidade.
E mesmo sem poder ver-te, sei que és de verdade.



-Namur...

Soneto da diva

Teu corpo é a mais bela obra de arte!
Teus olhos são como grandes esmeraldas!
Com minha diva iria para qualquer parte...
Tomaria sorvete com todas as caldas...

Teus lábios são um desenho bem feito...
Teus cabelos são graciosos como os de Afrodite...
Sem a ti é como se abrisse uma fenda em meu peito...
Sem a ti é como se me tirassem a vida, acredite...

Teu peito junto ao meu é o que sempre desejo.
Tuas bochechas rosadas me matam de amor...
De ti, eu sempre espero um longo e doce beijo.

Quando estamos juntos, irradiamos calor.
Quanto mais a vejo mais a quero mulher.
Com você meu amor, farei tudo o que quiser.

-Namur...

Qual é o preço?

O preço de sonhar é acordar e se deparar com a verdade.
Preço que não estou disposto a pagar para me matar.
Sonhar é tão divino, sonhamos com um mundo sem gravidade,
Um mundo onde pode ser mais fácil de amar...

Quando a bolha estoura é um choque e tanto.
Sonhos doces podem se tornar pesadelos sangrentos.
E não adiantará entrar e se afogar em pranto.
Apenas abra os olhos deixe o trabalho para os ventos...

Eles levarão tudo embora, e sararão as feridas...
Sonhar é bom até se descobrir que está sonhando.
Ter pesadelos é bom, pois buscamos sair rapidamente.

Qual preço você está disposto a pagar pela sua vida?
Seja qual for você sempre continuará pagando...
Eu pagaria qualquer preço se você estivesse presente...


-Namur...

Jardim abandonado

No meu jardim ontem eu cortei a grama...
Para hoje contigo estender uma toalha e sentar.
Para olhar em teus olhos e ouvir que me ama...
No meu jardim hoje eu não vejo você chegar...

Deito-me sozinho no chão à espera sem fim...
As estrelas chegam, mas você ainda não...
O sol nasce e seus raios queimam em mim...
Acordando-me deparo com o vazio chão...

E recolho dele a toalha suja com grama cortada.
O vento toca meu rosto e sinto você perto...
Procuro por todos os lados, mas não encontro nada...

Desde então os dias passam, e nunca mais acerto...
O vento desapareceu e a levou para longe sem pena.
Sem você por perto sou apenas uma criança pequena...


-Namur...