Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Queimando pontes


Existem pessoas boas e legais como você,
Que sempre estão certas, sempre pensando nos outros.
E existem pessoas ruins e chatas como eu,
Que só pensam em si mesmas.

Pessoas fortes como você, que fazem de tudo
Para conseguir o que quer. De tudo.
Pessoas covardes como eu,
Que não se arriscam.

Pessoas dispostas a dividir suas vidas, como você
E pessoas que se aproveitam disso, como eu.
Pessoas como eu não merecem pessoas como você.

Há quem não consiga terminar as coisas,
E há quem não saiba começar.

E há eu, que não sei recomeçar.

.

Desamor

O que nos leva a querer desfazer o que já foi feito?
Talvez o descontentamento
Por não ser o que esperava, perfeito
Ou um perfeito sofrimento.

O que nos leva a querer desquerer o que já foi quisto?
Talvez o formato do meu nariz
Por ter nele um risco,
Ou por tudo aquilo que não fiz.

O que nos leva a querer dizer sim quando dizemos não
É o mesmo o que nos roubou o ar
Quando nossos lábios se encontraram pela primeira vez.

É preciso sentir com o coração e ouvir a razão
Mas, não é preciso muito para saber que tentar desamar
Um amor é o mesmo que tentar esquecê-lo com a embriaguez.




Talvez o amor seja só uma palavra que você tenha visto em algum lugar, nada mais que isso.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Tão claro como Merlot

Sozinho no apartamento
Sexta-feira à noite,
Você resolve pegar uma taça
Para tentar entender seus pensamentos.

Tentar enxergar o que se passa,
E de repente a verdade te pega como um açoite.
E a garrafa acaba, sem perceber
Assim como você, quando me magoa.

Apaixonar-se é como beber vinho,
Você aprecia desde o cheiro ao sabor
Como da pessoa receber carinho.

A experiência me ensinou que
Do vinho e da paixão, que se confunde com o amor
Devemos apreciar com paciência, até o último gole.

Quando foi chuva

Você gosta quando eu chego e pontuo.
E eu gosto de queijo,
Gosto de ficar de cueca no sofá, bebendo;
Gosto de olhar a chuva...

E você me pergunta o que não gosto.
Respondo que quando as coisas estão confusas,
Como o tempo que está chuvoso, mas parece abrir sol
E você precisa sair de casa para ir à rua.

Você sai sem guarda-chuva, porque o sol parece vir.
Mas chove.
A chuva se fez de sol.

Sol que se fez chuva, na verdade, você diz.
Mas, a chuva é o sujeito, e o sol objeto.

Tal como você, e eu.