Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de julho de 2011

O Jardim e a chave

Se um dia, este rapaz amar a uma mulher,
Não faria promessas, não faria juramentos.
Daria sua palavra, sua vida e tudo o que tiver.
Mas por enquanto, não passam de pensamentos.

Se um dia, encontrar o que chamam de amor,
Se neste dia ele ainda estiver a respirar,
Será como num quadro branco, por cor;
E dos melhores sonhos, a felicidade, conjurar.

Protegeria de tudo, guardar-lhe-ia em seus braços,  
Conheceria a liberdade, sem hastes de uma cela
De prisão; aquecer-lhe-ia com o calor de seus abraços

Sempre que desejasse. Encontraria os lábios dela
Como a margem da praia encontra o mar aberto.
Mas como disse, não tenho a chave para meu Jardim secreto.



domingo, 24 de julho de 2011

Potem

“Cada um é dono de sua própria história.”
Há momentos nos quais a vida para e pede
Mudanças. Talvez um tempo, na memória
De quem sofre; lágrimas e dor não são algo que se mede...

Um tempo para esquecer tudo, e colocar
As coisas no seu devido lugar, ou não.
Para tentar resolver algo, poder pensar;
Ou para tentar esquecer uma paixão.

Seja qual forem os motivos, algo não muda.
Mesmo que os dias se prolonguem na melancolia,
No doce ócio, é inevitável que não se iluda

Com os cabelos teus, divina obra, luz que irradia
Vida para a pele tua, branca como neve;
Para o sorriso, olhos e lábios meus...