Pesquisar este blog

sábado, 10 de novembro de 2012

Palavras de Albertina


Como saber se o completo é real
Se o espaço não está mais em mim
Quando acreditar que o presente não é banal
E que a busca teve fim

Por que menos expectativas criar
Se o que vejo é tão arrebatador
Que me faz, com forças, querer segurar
Preenchendo onde outrora havia dor

Ah, se houvesse poucos questionamentos
Minhas dúvidas seriam em vão
A certeza confirmaria esses sentimentos
Trazendo menos palavras, muito mais ação
(Albertina)

Como saber. Se. Quando acreditar. Por que. Palavras.
Certamente não há como ter a certeza, somente uma:
A de que um dia morreremos, e nossos corpos comerão as larvas.
Auroras sem fim passei, e passou. Deixo tudo e busco a bruma.

Lavando a areia, lavando e levando tudo, para o infinito do mar.
Leve este espaço, leve estas expectativas, leve a dúvida, leve a dor.
Leve tudo mas, não leve a esperança. Como há de ser, há de passar.
E quando passar, haverá um lugar reservado para o amor.