Pesquisar este blog

sábado, 19 de junho de 2010

Pra quê mais?

O sol nasce, brilha como ouro e se põe,
Depois a lua suavemente clareia o céu.
Já que de minhas idéias todos se opõem
Só me interessa o escrito neste papel...

As nuvens cinzas cobrem o azul,
Derramando suas puras lágrimas no chão.
Tanto me importa se acabou a consideração,
Mas a mudança me fez ir morar mais ao sul...

O eclipse, o encontro, quando acontece
No momento é, após tudo se esquece.
Como se não andasse sobre duas pernas,

Como se nunca tivesse vindo ao mundo,
Como se vivesse numa fúnebre caverna.
Como se tudo nada. Esquecimento profundo.

- X

domingo, 13 de junho de 2010

Palavras para uma Flor


Se eu pudesse contar as estrelas no céu,
Multiplicaria pelo infinito ao quadrado
E depois, somaria com a quantidade de
Gotas que fazem o grandioso oceano,

Juntaria com cada molécula de gás carbônico,
Multiplicaria novamente pela totalidade
De grãos de areia que fazem todas as praias
Desse globo, depois somaria com a quantidade

De seres que já passaram por esse mundo,
E a partir daí, somente a partir daí, posso
Mostrar ao mundo, ou melhor, a minha

Flor, que é tudo isso e mais um pouco
O que representa uma pequena parte,
Do todo que sinto, chamado de amor.

-Namur...