Pesquisar este blog

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Desejo que temo

Foi-se o tempo em que dormia tranquilamente noite adentro.
Agora são os problemas que me possuem, e que são o centro...
Lágrimas não cansam de escorrer vaga e dolorosamente...
E de tudo apenas nada consigo esquecer utilmente...

Muitos são aqueles que lutam com força até o final...
Outros desistem quando perdem a esperança...
Receio que eu seja aquele que a perdeu sem deixar sinal... Por
Tentar apagar as dores das minhas lembranças...

E agora nada mudou, permaneço sozinho nesta noite...
Agonia, dor, sofrimento, tristeza, solidão, burrice...
Muitas coisas das quais são as minhas tolices...

Antes de partir, olhe em meus olhos e diga que... Foi-te...
Depois que partistes, deixou-me sem chão, sem coração.
Agora para mim, recusa-se a pedir um mísero perdão...


-Namur...

Pedido Sutil

Perto... Tão perto de conquistar uma vitória...
Revejo e vejo que não passa de mera memória...
E o passado se assemelha ao pobre presente...
Caindo em pedaços, sem forma descente...

Inevitável é a forma como eu não aceito...
Sem revolta minha sofrida alma não está.
Outrora gostaria que encontrasse em meu peito,
Dois pedaços de coração, que não se partirá...

E vejo que estes versos são uma confusão...
Agora nem eu mesmo consigo entender mesmice...
Já era hora de ver no início deles a chatice

Uma repetição que somente me faz bobão.
Depois de perceber o meu pedido...
Ajude-me... Estou perdido e iludido...


-Namur...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Um segundo

Existem poucas palavras que preenchem um segundo...
Umas quando ditas são a coisa mais importante do mundo...
Algumas o destroem com uma eficácia inexplicável...
Mesmo que isso não importe, o que sinto é imensurável...

O que estes versos vazios pretendem me contar?...
Vazio como se torna meu peito quando a ti não encontra.
O que fazer quando as lágrimas descerem sem me avisar?
Certamente para todo o meu sentimento não estás pronta...

E assim eu me conformo com a dissidência...
Amo tanto que por instantes perco minha consciência...
Meu peito vazio não aceita a falta de compreensão...

O tempo continua e a doce solidão toma conta do meu coração...
Resplandecente como a luz do sol que toca tua pele,
... É esse amor meu que para ti apenas me repele...

- Namur...