Pesquisar este blog

sábado, 18 de abril de 2009

De tanto um tudo

De tanto olhar para o sol incandescente,
De tanto ouvir meu rock intenso e pesado,
De tanto esperar a noite para estar sedado,
De tanto não desejar que esteja ausente...

De tanto escrever em folhas pautadas,
De tanto ouvir palavras nunca ditas,
De tanto olhar garotas caladas,
De tanto odiar paixões malditas...

De tanto com as palavras me confundir,
De tanto minhas vontades inibir,
De tanto tudo, Nada.

De tantos sóis, eu só quero um.
De tanto falar e você nada entender.
É você que faz o tanto, que de só um tanto, de tudo nada me interessa.


Omar Namur...