Pesquisar este blog

sábado, 29 de novembro de 2008

Pensamento funesto

São tantas coisas... Perdi-me antes mesmo de começar...
Sinto uma fome insaciável de fechar este vazio;
Sem sequer saber o que sei, só sabem fazê-lo não sarar...
Sendo os meus pensamentos que vagam no sombrio,

Automaticamente eu troco a causa pelo efeito.
-Acho que talvez tenha enlouquecido...
Ampliando o desejo de ser esquecido,
Alfim, tornando-me o mais perfeito...

O mais perfeito idiota.
Martirizado por mágoas que,
Nunca sequer foram conjuradas...

E em meio deste torpor,
Prendi-me a um asilo,
Que se chama amor.


O.N.Á.B.

Angelica

Angelica vivia no céu.
O sorriso de Angelica era sensacional.
Angelica tinha o cabelo cor de mel...
O corpo de Angelica era escultural.

Em uma determinada missão,
Angelica se apaixonou.
Não possuindo coração,
Do prédio mais alto se jogou...

O mortal ficara deslumbrado.
Mas o mortal já era apaixonado.
Angelica não suportou a dor...

Rendeu-se ao amor... (Tornou-se vulnerável às tentações.).
Fez de tudo para ele a amar.
Fracassada, agora terá ela de me matar.

II

O ódio tomou lugar do tédio.
E ela, sobre mim, começa a flamigerar...
Pondo chamas em todo o prédio,
A mim, cabe a ela matar...

Observando a noite cair,
A única solução é sucumbir...
Não se pode usurpar do amor...
E em seus olhos vejo quão gigante é o rancor.

Não se domina sentimentos...
Conforme-se com a realidade...
Cada qual com seu aposento.

Todos são donos de suas verdades.
Ela caiu em desgraça.
Porque eu Angelica?

III

Por um instante, pensei que a faria.
Vendo o azul se transformar em vermelho,
Eu a vi confusa sem saber onde estaria...
Sendo assim, antes de fazê-lo, ela viu no espelho,

O mostro que se tornara... -Saiu em prantos. -
Sem saber onde se esconder,
Ela se enfiou em um dos cantos,
Que nem sequer dava para ver o sol nascer...

Inconformada com o que fizera,
Ela veio e pediu-me perdão.
Entregou-me todo seu amor.

Feito então,
O seu criador,
Abriu-lhe novamente sua moradia, chamada céu.




O.N.Á.B.

Soneto de quem ama

Quem ama, não importa o lugar,
Não teme em mostrar o que sente.
Quem ama, se esquece dos problemas de repente...
Quem ama, tem coragem de praticar o verbo amar.

Quem ama se declara à luz do luar.
Quem ama, percebe que o amor,
É como observar a imensidão do mar.
Quem ama de verdade não guarda rancor.

Amar alguém é estar perdido num deserto...
Amar ninguém é como estar num parque de diversão.
Amar alguém que no momento não esteja perto,

Faz-nos refletir que para o coração,
Não importa a distância; o amor,
Nunca sequer nos abandona.


O.N.Á.B.