Pesquisar este blog

domingo, 28 de setembro de 2008

Sou Namur

Não sou mar, sou oceano.
Sou diferente, não sou igual.
Sou o romance em si, verdadeiro veterano...
Não sou humano, sou imortal.

Sou o que sou não o que querem...
Não sou namor, sou Namur...
Não sou fraco, sou dono da Escalibur.
Sou eu que lembro, e eles que esquecem...

Enfim, sou o que quero ser.
Nesta noite sombria,
Não serei eu quem irá morrer...

Se o amor te arrepia,
Veja que alem de arrepio é prazer...
Sabia você o quê queria?

“O quê queria você naquele dia?
Não sabia qual escolher...
Eram tantos que eu já lhe dizia:
Já sabe qual irá te aquecer?”




O.N.Á.B.

Quão linda

Durmo, acordo, espero, olho... Não desgrudo o olhar da porta...
Com esperança de que um dia você possa entrar por ela...
Vejo no relógio os ponteiros girarem feitos loucos. Vejo pela janela,
Que do Sol radiante passa para chuva incessante. Sem você nada importa!

Sinto calafrios... Observo àquela estrela torta...
Parece forçada a brilhar... Tudo isso porque ela é bela.
Pessoas que a observam tentam prendê-la numa tela...
No começo funciona... Ela parou de brilhar... Veja! Está morta...

Tudo ao meu redor, tudo, me faz pensar...
Naquele rosto lindo, naquele sorriso, naquele agir.
Tudo me induz para poder acreditar.

Que um dia poderei a ver dormir...
Espero que isso tudo se arrume.
Espero poder sentir logo o teu perfume.

O.N.Á.B.

Dor do amor

Sempre há um dia em que se percebe que não adianta lutar.
O amor é dor em si, e na maioria das vezes é passageiro.
A vida nos ensina que quem amamos, às vezes só tem amizade a ofertar...
E aprendemos a ver que ao redor existem outras pessoas e cordeiros...

Eu sei mais do que ninguém o que é ser deixado de lado.
Ser mais complicado, misterioso, que a mulher não há.
Não sabem o que quer. E quando sabem, é o mais esquisito e complicado...
O tempo se vai e a única coisa que consigo é me perder lá...

No seu coração gigante, cheio de amores...
Vejo o meu único se perder...
E fico me remoendo e sentindo certas dores.

Vendo você se afogando em prazer...
E no meu mundo sinto falta de outras cores.
É tu a única coisa de que preciso esquecer...



O.N.Á.B.

Paradoxo da vida

Pela primeira vez na vida,
Eu fiquei sem saber o que escrever...
Sinto-me parecido como um mendigo pedindo comida...
E não conseguindo, fico sabendo que de fome irei morrer...

Não é comida... Mas seu amor é meu alimento...
O alimento para fazer funcionar meu motor...
Ele não funciona... Já não basta eu ter caído no esquecimento,
Você passa por mim como um rolo compressor...

Faz um tempo que ouvi um grito...
Eu senti que ele vinha do interior...
Não sei se o amor é um mito,
Mas sendo ou não tornei seu credor...

Ontem eu assisti a uma corrida...
Não é sempre quem merece vencer,
Simplesmente vence... É como se desse uma mordida,
Nos meus testículos... Isso é de doer...

Uma dor sem fim...
Parecida com você ver sua parceira te trair...
Não ando triste... Apenas estou em meu jardim,

Esperando a próxima flor se abrir.
Não queria que terminasse assim...
Vendo você meu anjo, me largar e tornar-se um querubim.

Eu irei descobrir o que a vida irá me trazer...
Enquanto isso estou à procura de um remédio,
Para quem sabe, curar-me do tédio!


O.N.Á.B

O impossível

Mesmo sendo tão diferentes,
O amor deles dá certo...
Sendo ela fria e ele quente,
Não importando se estão perto...

A prova mais concreta,
De que o impossível não existe!
E você aí, quieta... [...]
E eu aqui, triste...

Por que não viramos um?
Pode não ser o quê eles querem,
Mais é verdade que os iguais se repelem...

Segredo, não haverá nenhum...
Nós nem somos tão parecidos...
Espero que não tenha me esquecido...



O.N.Á.B.

Coisas intrigantes

No começo de uma amizade,
É fácil dizer que nunca irá acabar...
Mas para quê ter curiosidade,
Se um dia sabe que não vai durar?

Olho ao redor e não sei dizer...
Será que posso contar com essas pessoas?
Só pela aparência diria que são boas.
E conhecendo-as, até meu nome torna-se fácil de esquecer.

Por um instante eu me iludi...
Fingi ser feliz, normal.
Viver não é como falam...

Queria poder não mais cair...
Este mundo é irracional...
E eu não sei se eles se calam...

O.N.Á.B.